quarta-feira, 23 de abril de 2014

“ABBEY ROAD”: HISTÓRIA DE UMA CAPA DE DISCO



1ª Foto: Capa original do Disco “Abbey Road”
2ª Foto: Beatles aguardando o momento para fotografar 

A história dos Beatles muitos já conhecem e os beatlemaníacos conhecem mais profundamente ainda. Mas poucos conhecem a história da capa mais famosa de disco e é sobre isso que vamos falar agora.
Pois é, há quase 45 anos os Beatles tiraram a sua foto mais famosa, para a capa do disco “Abbey Road” e toda a ação foi minuciosamente planejada por Paul McCartney.
Era 8 de agosto de 1969 quando os Beatles se reuniram para o que viria a ser um dos seus últimos ensaios fotográficos. Não o último de todos, mas o último a ser usado em um álbum. Nessa época, Paul já decidia as coisas e isso irritava John, mas nada era muito fácil. Reunir todos os membros da banda mais famosa do mundo era difícil, principalmente na crise em que estavam passando com a chegada de Yoko Ono, que acompanhava John Lennon a todos os lugares, inclusive gravações, o que não deixava os outros três satisfeitos. Sair, agendar horários, nada disso acontecia sem uma boa dose de desgaste. Ali, talvez, o único Beatle que ainda queria ser um Beatle era o Ringo, pela sua espiritualidade de viver. Por isso, foi do Paul a idéia e iniciativa de fotografar naquela exata faixa de pedestres da avenida mais famosa da Inglaterra.
Paul fez um rascunho, esquematizou tudo e conseguiu reunir todos na citada avenida, próxima aos estúdios do grupo.
O encarregado da missão de fotografar a histórica foto foi um fotógrafo escocês amigo do John e da Yoko, chamado Lain Macmillan. Antes de começar, ele tirou uma foto da rua vazia. Linda McCartney, fotógrafa que era, também esteve lá e tirou algumas fotos dos preparativos, enquanto o quarteto aguardava o ensaio começar. Foram tiradas seis fotos oficiais ao todo para entrarem no álbum, mas a escolhida foi a quinta foto. A única na qual a formação estava perfeita, tudo alinhado nos seus mínimos detalhes, como deveria ser, como era habitual dos Beatles. Esmero nos últimos detalhes.
E essa quinta tentativa foi para o álbum. A história fez sua parte depois desse evento. Ninguém imaginava que os Beatles chegariam ao fim alguns dias depois. Nem o fã mais pessimista, nem mesmo John Lennon – que cuspiu seu desejo de sair da banda em uma reunião sobre as ambições de George de se tornar um compositor com mais espaço dentro do grupo.
De lá pra cá, todos os detalhes imagináveis já foram destrinchados. Nem mesmo o velhinho parado lá no fundo, passando como quem não quer nada conseguiu escapar. Até mesmo ele já foi encontrado, foi entrevistado e teve seus minutos de fama, só por estar ali. A placa do Fusca, de número LMW 281F, foi roubada repetidamente, até o carro entrar em leilão em 1986 e ser vendido por $2.530. Atualmente ele está no museu da Volkswagen na Alemanha.
E o disco veio a público com treze canções da dupla Lennon\McCartney, que na verdade foi um pacto de amizade que a dupla fez em 1958, de que mesmo as canções compostas individualmente levariam a assinatura da dupla, além de duas músicas de George Harrison e uma de Ringo Star.
O lado A abria com “Come Together” de Lennon; seguida de “Something” de Harrison e considerada uma das mais belas canções de amor de todos os tempos; “Mawell`s Silver Hammer” de Paul e que John detestava; “Oh Darling” também de Paul, essa John queria interpretá-la, mas essa função ficou a cargo do próprio autor, que chupou gelo para inflamar a garganta e poder cantá-la com a voz rouca; “Octopu`s Garden” de Ringo; “I Want You (She So Heavy)” de Lennon e considerada por muitos, o primeiro heavy metal da história. O lado B vinha com “Here Comes The Sun” de Harrison; seguida de “Because”, uma canção belíssima de John e que teve a participação dos quatros nos vocais; “Sun King”; “Mean Mr Mustard” e “Polythene Pam” de Lennon; “She Came In Through The Bathroom Window” de Paul; “Golden Slumbers”; “Carry That Weight” e “The End” são uma sequência criada por Paul, considerado uma das pérolas mais lindas da música universal e que encerra com “The End” que diz: “E no fim, o amor que você doa é o mesmo que você recebe”.
Essa é a história da capa de “Abbey Road” e hoje, atravessar aquela faixa de pedestres da avenida mais famosa de Liverpool é um grande evento e tornou-se atração definitiva para turistas do mundo inteiro. Todos querem passar por ali e repetir a famosa travessia.
“Abbey Road” na verdade, foi o último disco oficial dos Beatles, já que “Let it be” foi extraído das fitas do filme de mesmo nome, gravado e lançado sem autorização dos mesmos, depois que eles haviam se separado.



3 comentários:

Carlos Careqa disse...

Abbey Road não fica em Londres?

Wander Fernades Lara disse...

bacana!

Izabel Cristina disse...

Bom contar essas histórias e registrá-las para que não se percam. Gostei.